Prevalência de sedentarismo e excesso de peso em professores de Educação Física da rede de ensino público de Santa Maria - DF

A. L. P. dos Santos, M. M. Sales

Resumo


O presente estudo objetivou verificar prevalência de sedentarismo e excesso de peso em professores de Educação Física da rede de ensino público de Santa Maria – DF. Fizeram parte amostra, 45 indivíduos, selecionados por conveniência de professores da rede pública de ensino de Santa Maria – DF com idade entre 21 e 57 anos, de ambos os sexos [homens (n=22) e mulheres (n=23). Apenas participaram do estudo aqueles que manifestaram interesse e assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido. Os resultados demonstraram não haver diferença significante (p= 0,302) na prevalência de excesso de peso entre homens e mulheres. Do mesmo modo para a prevalência de sedentarismo, em que não foram evidenciadas diferenças significativas (p=0,187) entre os sexos. Na presente amostra, o sedentarismo parece não afetar a adiposidade corporal, na medida em que, a inatividade física aumentou. Entre os homens 11 sujeitos foram considerados eutróficos e 11 sujeitos classificados com excesso de peso, nas mulheres 15 delas classificadas como eutróficas e 8 com excesso de peso. Mais de 88% da amostra foram classificados como ativos, conta um pouco mais de sujeitos inativos.

Palavras-chave


Atividade motora; Doenças cardiovasculares; Área de atuação profissional.

Texto completo:

PDF

Referências


Bielemann, R. M., Knuth, A. G., Hallal, P. C. Atividade física e redução de custos por doenças crônicas ao sistema Único de saúde. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. 15(1), 9-14, 2010.

Bowring et al. Measuring the accuracy of selfreported height and weight in a community-based sample of young people. BMC Medical Research Methodology 2012 12:175.

Centers for disease control and prevention (CDC), National Center for Chronic Disease Prevention and Health Promotion. Preventing obesity and chronic diseases through good nutrition and physical activity. (2005).

Coelho, V. G., Caetano, L. F., Júnior, R. D. R. L., Cordeiro, J. A., Souza, D. R. S. (2005). Perfil Lipídico e Fatores de Risco para Doenças Cardiovasculares em Estudantes de Medicina. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, 85(1), 57-62.

Erberly L. E., Cohen J. D., Prineas R, Yang L. Impact of incident diabetes and incident nonfatal cardiovascular disease on 18-year mortality: the multiple risk factor intervention trial experience. Diabetes Care. 2003; 26(3):848-54.

Engstrom, J. L., Paterson, S. A., Doherty, A., Trabulsi M., Speer, K. L. Accuracy of self-reported height and weight in women: an integrative review of the literature. J Midwifery Womens Health. 48(5): 338-45, 2003.

Ghamoum, A. K. Incidência de sedentarismo no tempo livre de professores de educação física na grande Goiânia. Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília. 30, 2009.

Gualano, B., Tinucci, T. (2011). Sedentarismo, exercício físico e doenças crônicas. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. 25, 37-43, 2011.

Hallal, P. C., Andersen, L. B Bull, F. C., Guthold, R., Haskell, W., Ekelund, U. (2012). Global physical activity levels: surveillance progress, pitfalls, and prospects.

Hazar, M. Moreira., O. C., Júnior, M. A. C., Teodoro, B. G., Oliveira, C. E. P. (2010). Determinação da prevalência de fatores de risco coronariano em estudantes de Educação Física de uma faculdade privada de Minas Gerais. Revista brasileira de ciência e movimento. 23, 58-66, 2007.

IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009.

Laporte R. E., Montoye H. J., Caspersen C. J. (1985). Assessment of Physical Activity in Epidemiologic Research: Problems and prospects. Public Health Reports, 100 (2): 131 - 146.

Ministério da Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil, 2011-2022. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Ministério da Saúde do Brasil. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Vigitel Brasil 2013: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2014/abril/30/Lancamento-Vigitel-28-04-ok.pdf.

Pitanga, F. J. G (2002). Epidemiologia, atividade física e saúde. Revista brasileira de ciência e movimento. 10(3), 49-54, 2007.

Sperandio, A. M. G., Correa, C. R. S., Junior, G. B. V., Valente, J. A., Zancan, L., Mendes, L., Braccialli, L. M. P., Rocabado, L. F., Andrade, L. O. Saúde coletiva e atividade física conceitos e aplicações dirigidos à graduação em educação física. 1, 1-155, 2007.

WHO/CDC. World Health Organization/CDC Collaborating Center on Physical Activity and Health Promotion. Promoting Physical Activity: a best buy in public health, 2000.

Xavier, F. A., Barboza, L. F., Monteiro, A. M. P., Santos, L. C, Oliveira, D. R. Fatores de risco cardiovascular entre docentes de uma universidade publica de minas gerais. Revista do ministério da enfermagem. 14(4), 465-472, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.