A família no processo de coming out: sair do armário

Elizabeth Arruda Alves, André Luís Ferreira Moniz, André Luís Ferreira Moniz

Resumo


As reações das famílias do homossexual diante da revelação é o objeto dessa pesquisa. Ela descreve as reações de rejeição e aceitação; identifica fatores que favorecem ou prejudicam o acolhimento do homossexual; descreve os sentimentos que levam a preservação ou perda dos laços afetivos; identifica os episódios de violência, rejeição e agressões psicológicas sofridas pelo homossexual no seio da família. Assim, compreender o que envolve o processo da revelação pode favorecer a modificação de atitudes no núcleo familiar e, diminuir, em uma parcela da sociedade que não aceita o diferente, as manifestações homofóbicas. Com o objetivo de descrever e não de explicar o processo de revelação, o método fenomenológico foi escolhido por favorecer a compreensão das manifestações de fenômenos tais como eles ocorrem. Foram convidados a colaborar, dois membros (pai, mãe) de um núcleo familiar com um (a) homossexual assumido (a). Foi utilizada uma entrevista semiestruturada, onde, a partir de um roteiro mínimo, os familiares foram incentivados a responder sobre as questões de interesse da pesquisa. Com a análise dos dados coletados, os resultados mostram que o processo de revelação ocorre em quatro fases que descrevem como as famílias vivem a experiência desde a revelação até o acolhimento. Com o resultado, espera-se que ocorra uma ampliação dos estudos acadêmicos sobre o processo de revelação da homossexualidade, incentivo à criação de recursos sociais, terapêuticos e governamentais que favoreçam a diminuição da homofobia intrafamiliar e social.

Palavras-chave


Família; Homossexualidade; “Sair do Armário”; Fenomenologia.

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, R.R. (2009). Família Patriarcal e Nuclear: Características e transformações. Retirado em 23/010/2014 de: https://pos.historia.ufg.br/up/113/o/IISPHist09_RoosembergAlves.pdf

Amatuzzi, M.M. (2009). Psicologia Fenomenológica: Uma aproximação teórica humanista. Retirado em 02/09/2014 de http://www.scielo.br/pdf/estpsi/v26n1/a10v26n1.pdf .

Borrillo D. A homofobia (2010) in Lionço T; Diniz, D. Homofobia & Educação: Um Desafio ao Silêncio. Brasília: Universidade de Brasília.

Brasil. Ministério da Saúde (2013). Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. Brasília, DF.

Frazão P., & Rosário, R. (2008). O coming out de gays e lésbicas e as relações familiares. Retirado em 10/09/2014 de http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/aps/v26n1/v26n1a03.pdf .

Galinkin A.L., & Santos C. (201). Gênero e psicologia social, interfaces. Brasília: Technopolitik.

Hintz, H.C. (2001). Novos tempos, novas famílias? Da modernidade à pós-modernidade. Retirado em 17/05/2014 de http://www.susepe.rs.gov.br/upload/1363010551_hintz_novos_tempos,_novas_fam%C3%ADlias_-_complementar_8_abril.pdf .

Holanda A. (2006). Questões sobre pesquisa qualitativa e pesquisa fenomenológica. Retirado em 28/05/2014 de http://www.scielo.oces.mctes.pt .

Kurashige, K.D., & Reis, A.F. (2010). O processo de afirmação da orientação sexual e suas implicações na vida familiar. Retirado em 08/05/2014 de http://periodicos.uems.br/novo/index.php/interfaces/article/view/79/60 .

Moreira V. (2004). O método fenomenológico de Merleau-Ponty como Ferramenta crítica na pesquisa e Psicopatologia. Retirado em 28/08/2014 de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722004000300016 .

Mott, L. (2009). Por que os homossexuais são os mais odiados dentre todas as minorias? Retirado em 15/05/2015 de http://www.pagu.unicamp.br/sites/www.ifch.unicamp.br.pagu/files/colenc.01.a09.pdf .

Naphy, W. (2006). Bor do be gay: História da Homossexualidade. Lisboa/Portugal: 70.

Noticias terra. Brasil – A trajetória contra o preconceito. (2006). Retirado em 02/06/2014 de http://noticias.terra.com.br/brasil/direitos-homossexuais/ .

Oliveira, G.S., & Cunha A.M.O. (2008). Breves considerações a respeito da fenomenologia e do método fenomenológico. Retirado em 20/08/2014 de http://web.unifoa.edu.br/portal/plano_aula/arquivos/04848/CONSIDERA%C3%87%C3%95ES%20SOBRE%20A%20FENOMENOLOGIA.pdf .

Oliveira, N.H.D. (2009). Recomeçar: família, filhos e desafios. Retirado em 13/09/2015 de http://www.franca.unesp.br/Home/Pos-graduacao/ServicoSocial/tese_nayara_pdf.pdf .

Palma, Y.A., & Levandowski, D.C. (2008) Vivências pessoais e familiares de homossexuais femininas. Retirado em 10/05/2014 de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722008000400015 .

Rodrigues, A. (2010). Psicologia social para principiantes. 12ª ed. Petrópolis, RJ. Vozes.

Sandala M.L.A. (2002). A fenomenologia como método para investigar a experiência vivida: Uma perspectiva do pensamento de Husserl e de Merleau Ponty. Retirado em 20/08/2014 de http://www.unisc.br/portal/upload/com_arquivo/a_fenomenologia_como_metodo_para_investigar_a_experiencia_vivida.pdf .

Santos, M.A., Brochado J.U., & Moscheta M.S. (2007). Grupo de pais de jovens homossexuais. Retirado em 16/05/2014 de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/smad/v3n2/v3n2a02.pdf .

Sêga, R.A. (2000). O conceito de Representação Social nas Obras de Denise Jodelet e Serge Moscovici. Retirado em 28/05/2015 de http://www.ufrgs.br/ppghist/anos90/13/13art8.pdf .

Simionato M.A.W & Oliveira R.G. (2003). Funções e transformações da família ao longo da história. Retirado em 19/05/2014 de http://www.abpp.com.br/abppprnorte/pdf/a07Simionato03.pdf .

Soliva, T.B. (2010) Família e homossexualidade: Uma análise da violência doméstica sofrida por jovens homossexuais. Retirado em 25/07/2015 de http://www.fazendogenero.ufsc.br/9/resources/anais/1278084309_ARQUIVO_FAMILIAEHOMOSSEXUALIDADE.pdf .

Vilhena, J. (2005). Repensando a Família. Retirado em 29/06/2015 de http://www.psicologia.pt/artigos/ver_artigo.php?codigo=A0229 .


Apontamentos

  • Não há apontamentos.